Monthly Archives: Janeiro 2013

Despedindo-se do Dakar 2013 com um 8º lugar na 14ª e última especial, depois de um furo logo ao km 74 os ter impedido de lutar por uma eventual vitória à chegada a Santiago do Chile, Carlos Sousa e Miguel Ramalho confirmaram, apesar de tudo, um resultado que era para muitos era impensável à partida desta edição: um 6º lugar na classificação geral da corrida automóvel. “Foi muito bom e não dava mesmo para mais” – desabafou o piloto português após igualar os seus anteriores registos na América do Sul, em 2010 e 2012. “Este tem outro sabor, porque foi arrancado a ferros, com um carro sem evoluções e ao fim de ano inteiro sem competir”. Melhor, de facto, era impossível…

 

Provando que não há duas sem três, Carlos Sousa confirmou hoje, à chegada a Santiago do Chile, após mais de 8.000 quilómetros percorridos desde a partida em Lima, há exatamente duas semanas, um brilhante 6º lugar da classificação geral, repetindo assim os feitos alcançados em 2010 e 2012 no atual formato sul-americano do rali Dakar.

Superando as expetativas mais otimistas, face ao nível competitivo das equipas presentes e a extrema dureza desta edição, o piloto português voltou a sublinhar toda a sua experiência e enorme regularidade, garantindo uma presença no top-10 final pela décima vez em 14 participações.

“Considerando que estive um ano parado, que fiz apenas 300 km de testes em novembro e que o carro não sofreu qualquer evolução face ao ano anterior, chegar ao fim e novamente em 6º lugar é simplesmente formidável. Estou muito feliz com este resultado que honestamente supera as nossas melhores expetativas e ainda mais as dos responsáveis da equipa Great Wall”, revelou Carlos Sousa à chegada a Santiago do Chile, após concluir a 14ª e última etapa deste longo e exigente Dakar.

“Queríamos muito terminar este Dakar com um bom resultado, até para vingar os pequenos azares que tivemos nestes últimos dias. Estávamos a ser rápidos, mas um furo logo ao km 74 voltou a estragar-nos os planos, tal como ontem”, lamentou o português, ainda assim, o 8º mais rápido a cumprir os dois setores cronometrados deste último dia, cedendo apenas 3m19s para o vencedor, Nani Roma.

“Hoje, sem o furo, acho que poderíamos ter lutado pela vitória na especial ou, pelo menos, por um lugar no top-3. Talvez se o Dakar começasse agora”, atirou Carlos Sousa, confirmando o excelente andamento demonstrado ao longo destes últimos dias.

Já o início foi particularmente duro e acusámos naturalmente alguma falta de ritmo nas primeiras etapas”, recorda o piloto da Great Wall, que era apenas 17º da geral após o terceiro dia, com um atraso superior a uma hora para o líder. “Não foi o melhor arranque, é verdade, mas daí para a frente foi sempre a recuperar”, como o comprova a subida ao 10º lugar, então já a pouco mais de meia hora do 6º classificado, no final da primeira semana.

Embora já dentro do objetivo apontado para este Dakar, Carlos Sousa logo admitiu que era ainda possível chegar mais longe… Dito e feito com o português a fixar-se no 6º posto logo após a jornada de descanso, impondo toda a sua experiência na mais longa especial desta edição.

Aproveitando um tipo de terreno mais propício às características do SUV Haval – este ano bastante mais limitado em potência e velocidade de ponta –, a segunda e última semana permitiu à dupla portuguesa consolidar a sua posição e brilhar em algumas etapas, mesmo apesar de alguns percalços mecânicos:

“Tivemos dois dias complicados na sequência de um problema com a correia que faz a ventilação ao motor. Num deles, chegámos a temer o pior… Felizmente, tudo se resolveu e hoje podemos estar aqui com toda a equipa a festejar este fantástico resultado. É uma classificação que me deixa muito orgulhoso e com a plena satisfação de dever cumprido. Face a todas as nossas limitações, acho que era mesmo impossível aspirar a melhor”, destacou o piloto, antevendo já um possível regresso em 2014.

“Gostaria muito de voltar mas para lutar por um objetivo bem mais ambicioso do que um top-10. Espero que os responsáveis pela Great Wall mantenham este entusiasmo e possam dar um passo em frente neste projeto”, desejou. As decisões estão para muito breve…

 

CLASSIFICAÇÃO – ETAPA 14

Cl.            Piloto/Navegador                Carro                           Tempo/Dif.

1º              Roma/Périn                                   MINI                             1h44m10s
2º              Terranova/Fiuza                         BMW                           a 13s
3º              Alvarez/Graue                             Toyota                         a 31s
4º              De Villiers/Von Zitzewitz        Toyota                         a 2m05s
5º              Chicherit/Garcin                           SMG                            a 2m05s
(…)
8º              SOUSA/RAMALHO              GREAT WALL   a 3m19s
12º            Zhou/Maimon                        GREAT WALL   a 6m39s

 

CALSSIFICAÇÃO GERAL – FINAL

Cl.            Piloto/Navegador                Carro                           Tempo/Dif.

1º              Peterhansel/Cottret                   MINI                             38h32m39s
2º              De Villiers/Von Zitzewitz        Toyota                         a 42m22s
3º              Novitskiy/Zhiltsov                    MINI                             a 1h28m22s
4º              Roma/Périn                                  MINI                             a 1h36m43s
5º              Terranova/Fiuza                        BMW                           a 1h49m10s
6º              SOUSA/RAMALHO              GREAT WALL   a 2h38m16s
(…)
19º            Zhou/Maimon                         GREAT WALL   a 7h27m51s


Fonte: Atelier do Caracter 

(88)

DAKAR 2013 – 14ª – 18.01.2013
LA SERENA – SANTIAGO
FINAL

Foi de loucos esta edição do DAKAR 2013!!! E tudo se decidiu na última Etapa entre La Serena e Santiago onde Ruben Faria imprimiu um ritmo muito rápido e que só não foi premiado com o primeiro lugar na especial pois teve uma pequena queda nos últimos km do troço, garantido o segundo lugar na etapa a apenas 29 segundos do vencedor o chileno Lopez também em KTM.

Para a história deste Dakar fica a dobradinha da equipa oficial KTM / Red Bull com Ruben Faria a garantir o segundo lugar a apenas 10 minutos do seu chefe de fila o francês Cyril Despres.

Aspeto muito importante, principalmente para a KTM, foi o facto de Ruben Faria não ter trocado de motor o que prova que é um piloto completo a todos os níveis e que sabe poupar a mecanica.

Ruben Faria: “ Hoje o que me apetece dizer é “Nada mau para um aguadeiro”. Quero agradecer à minha equipa KTM / Red Bull, especialmente ao Cyril, a todos os que me apoiaram diariamente, aos meus patrociandores, aos meus fãs, aos meus amigos, à minha família, à minha mulher, este resultado é para partilhar com todos vocês!!! Eu sei que hoje eu não fui sozinho na moto!!! Espero que se tenham divertido tanto quanto eu!!! Muito, Muito Obrigado!!!

14ª e última Etapa Dakar 2013
1º Lopez                 KTM       01:42:37Classificação
2º RUBEN FARIA  KTM       01:43:06
3º Barreda        Husqvarna   01:43:14

Classificação FINAL DAKAR 2013

1º Despres             KTM    43:24:22
2º Ruben Faria      KTM    43:35:05
3º Lopez                 KTM    41:43:10


Amanhã iremos comunicar os horários de chegada do Ruben ao aeroporto de Lisboa e Faro para que todos possamos receber o nosso Campeão!!!

Para mais informações, ou algum contacto directo com Ruben Faria, por favor contacte:
Miguel dos Santos – 967 015 624

Photographer Credit: Marcelo Maragni/Red Bull Content Pool
License: EDITORIAL Use ONLY

(126)

No dia em que Portugal colocou quatro pilotos no Top 10

Hélder Rodrigues encerrou hoje a sua participação no Dakar 2013 com um excelente 4º tempo na derradeira especial cronometrada, da etapa que ligou La Serena a Santiago do Chile. Neste regresso da equipa oficial da Honda ao Dakar, após 24 anos de ausência, Hélder Rodrigues piloto nº 1 da equipa nipónica, terminou na 7ª posição da classificação geral, mantendo um impressionante currículo nesta grande maratona de todo-o-terreno onde se estreou em 2006, com um 9º lugar, tendo a partir daí completado todas as suas participações no Top 10.

O piloto português pautou a sua participação neste Dakar 2013 por uma notável regularidade, praticamente não cometendo erros e superando com a sua determinação todas as dificuldades da prova e os imponderáveis da juventude de um projecto de elevado potencial.

A jornada de encerramento deste Dakar ficou marcada por mais uma demonstração do valor dos pilotos portugueses nesta competição de duas rodas, com o Top 10 do sector selectivo a registar a presença de quatro pilotos lusos.

“Este foi o meu sétimo Dakar e o quinto na América do Sul. Terminei todas as minhas participações e sempre no Top 10. Chegar ao fim é uma satisfação muito grande e pela minha parte sinto que cumpri. Cheguei muito bem preparado, senti-me sempre bem fisicamente, estou a navegar cada vez melhor e esforcei-me muito para conseguir resultados positivos em cada dia de prova. Nunca baixei os braços e o 4º lugar na etapa de hoje é um bom prémio final”, referiu hoje, à chegada a Santiago do Chile, o piloto da Honda, Red Bull e TMN.

 

PR_HelderRodrigues_Dakar 2013_19 de Janeiro de 2012

(114)

Português cumpriu objetivo de chegar ao fim da grande maratona!

Mário Patrão fez hoje parte de mais uma página da história do Motociclismo português. O piloto de Seia inscreveu o seu nome na lista de portugueses que chegaram ao fim do Rali Dakar, prova que este ano partiu de Lima, no Peru, e terminou hoje em Santiago do Chile.

A última etapa levou a caravana de La Serena até à capital chilena, com um total aproximado a 600 quilómetros, cerca de 100 cronometrados.

Sem navegação, a derradeira tirada foi propícia aos mais velozes e, neste patamar, Mário Patrão não quis deixar de fora as suas qualidades.

O senense conseguiu o quarto melhor tempo do dia e ‘bateu’ grandes nomes da maior prova de Todo-o-Terreno do mundo. «Foi espetacular, a etapa de hoje tinha caraterísticas propícias ao meu ataque e, já que tudo estava a correr bem, não quis deixar de terminar de forma especial esta minha estreia e poder dar uma alegria a todos os que nela me acompanharam», salientou o piloto do Crédito Agrícola no final.

Nas contas finais, o Patrão português deteve a 30.ª posição de uma tabela geral que contava 184 pilotos nas duas rodas a 5 de Janeiro.

Um sonho que ficou cumprido com revelação!

Reveladora foi a participação de Mário Patrão no Rali Dakar. Aos 35 anos, o beirão apostou na sua estreia na grande maratona e levou consigo mais de uma dezena de títulos nacionais.

Chegar ao fim foi sempre o principal objetivo. «Desde sempre que não escondi que queria chegar ao fim, esta foi uma aposta que conciliou diferentes entusiasmos, mas mantive-me sempre concentrado na minha verdadeira aposta. Hoje soltei-me mais, já me andava a conter faz muitos dias», confessou o único piloto Suzuki em prova.

Termina, assim, a 35.ª edição do Rali Dakar.

Fonte: Conceito Media 

(130)