Daily Archives: 11 de Janeiro de 2013

Num dia literalmente passado nas nuvens, a madrugadora subida aos Andes e ao ponto mais alto de toda a Argentina constituiu o aperitivo para uma rápida e desgastante especial disputada a mais de3.400 metrosde altitude. Quebrando a trajetória ascendente dos últimos dias, Carlos Sousa e Miguel Ramalho baixaram hoje um posto à geral, cedendo o 9º lugar ao argentino Orlando Terranova, mas em compensação voltaram a ganhar tempo a Ronan Chabot (6º), Joan Roma (7º) e, sobretudo, a Bernard Errandonea (8º), que está já a menos de 5m da dupla portuguesa na classificação. Tudo isto numa especial onde foram algo penalizados pela falta de potência do motor turbodiesel em altitude e pela menor velocidade de ponta do SUV Haval face aos buggys de duas rodas motrizes. Com apenas mais uma etapa pela frente até à jornada de descanso, o objetivo do top-10 mantém-se intacto…

Depois de uma primeira e breve incursão por terras chilenas, o Dakar atravessou hoje a Cordilheira dos Andes para disputar a primeira de cinco especiais na Argentina, num dia verdadeiramente desgastante para a caravana do rali, que logo às primeiras horas da madrugada iniciou uma ligação de417 kmque levou os concorrentes a uma altitude recorde de4.975 metros.

Numa etapa inédita no atual figurino sul-americano, a altitude foi uma constante no longo caminho até ao bivouac de Salta, turística cidade no noroeste argentino, de tal forma que mesmo os218 kmdo rápido setor cronometrado foram cumpridos entre os 3.400 e os4.462 metros, num verdadeiro teste de resistência a pilotos e máquinas.

Prejudicados pela falta de potência no motor turbodiesel em altitude e pela menor velocidade de ponta do SUV Haval na parte mais rápida do percurso – dominada pelos buggys até cerca do km 142 –, Carlos Sousa e Miguel Ramalho conseguiram, ainda assim, realizar pela segunda vez nesta edição o 9º melhor tempo da especial, a apenas 4m34s do vencedor.

 

“Foi uma especial sem grandes dificuldades a nível de navegação, muito rápida nos primeiros dois terços do percurso e um pouco mais estreita e pedregosa na parte final. Tal como esperávamos, perdemos alguma resposta no acelerador devido à altitude e fomos um pouco penalizados pela menor velocidade de ponta do nosso carro na parte mais rápida do troço. Mas quanto a isso não há nada a fazer… Estamos a andar no limite do potencial deste Great Wall”, admitiu Carlos Sousa à chegada deste sétimo dia.

“Continuamos a ganhar tempo a alguns buggys que estão à nossa frente na geral e recuperámos hoje mais de 7m ao Bernard Errandonea e quase três ao Ronan Chabot. Vamos tentar chegar um pouco mais longe na classificação, apostando na fiabilidade do Great Wall e na nossa regularidade. Para já, continuamos dentro do objetivo do top-10, mas falta ainda mais de meio Dakar até ao final”, recordou o piloto português, 10º da geral, mas a pouco mais de meia hora do 6º lugar de Chabot.

A ETAPA DE AMANHÃ

Na véspera da jornada de descanso e já a caminho de San Miguel Tucumán, os concorrentes enfrentam neste sábado a mais longa especial desta primeira semana. Serão470 kmdisputados ao cronómetro num dos mais belos teatros naturais da Argentina, entre formações rochosas e desfiladeiros, num cenário digno de um filme de cowboys.

CLASSIFICAÇÃO – ETAPA 7

Cl.        Piloto/Navegador                       Carro                            Tempo/Dif.
1º         Peterhansel/Cottret                   MINI                             1h42m27s
2º         Chichérit/Garcin                                    SMG                            a 39s
3º         Gordon/Walch                          Hummer                       a 1m08s
4º         Terranova/Fiuza                        BMW                           a 1m11s
5º         De Villiers/Von Zitzewitz                        Toyota                          a 1m32s
(…)
9º         SOUSA/RAMALHO                   GREAT WALL   a 4m34s

GERAL APÓS ETAPA 7

Cl.        Piloto/Navegador                       Carro                            Tempo/Dif.

1º         Peterhansel/Cottret                   MINI                             16h23m43s
2º         Al-Attiyah/Cruz                         Buggy                          a 3m14s
3º         De Villiers/Von Zitzewitz                        Toyota                          a 44m03s
4º         Novitsiy/Zhiltsov                        MINI                             a 48m54s
5º         Chichérit/Garcin                                    SMG                            a 1h17m05s
(…)
10º       SOUSA/RAMALHO                   GREAT WALL   a 2h02m55s

Fonte: atelierdocaractere

(64)

Em etapa maratona é o piloto que trata da mecânica

Depois de na ligação, que levou os concorrentes do Chile para a Argentina, ter passado perto dos5000 metrosde altitude, Hélder Rodrigues, aos comandos da sua Honda CRF 450X, sentiu algumas dificuldades pelo facto de o sector selectivo, com220 quilómetrosde extensão, ter sido todo ele disputado em altitude, entre os 3400 e os4000 metros.

Sem grande navegação a etapa que ligou Calama e Salta foi extremamente rápida e o piloto oficial do Team HRC registou o 19º tempo a 7m32s do vencedor, tendo descido uma posição na classificação geral.

“A etapa de hoje não tinha qualquer tipo de dificuldade ao nível de navegação, era muito rápida e em pista bem definida. Tentei ser rápido, mas a altitude condicionou o andamento. Para além disso é importante ter sempre em linha de conta que estamos a meio de uma etapa maratona e que portanto me vai caber tratar da mecânica da moto, sem poder contar com o apoio da nossa habitual estrutura de assistência”, salientou à chegada a Salta o piloto da Honda, Red Bull e TMN.

 

Amanhã a segunda parte da etapa maratona levará os concorrentes de Salta até San Miguel de Tucumán onde toda a caravana do rali terá no Domingo um merecido dia de descanso. O sector selectivo a disputar terá491 quilómetrosde extensão. Após os primeiros155 kmhaverá uma neutralização sendo o cronómetro retomado após133 kmde ligação.

PR_HelderRodrigues_Dakar 2013_11 de Janeiro de 2012

Fonte: A2 Comunicação

(95)