Monthly Archives: Novembro 2011

Photobucket

Pelo 5º ano consecutivo, o Clube Terra a Terra chega ao Terródromo de Fronteira de maneira bem diferente, foram quase 300 quilómetro de montes e vales que separavam a Quinta do Almirante em Loures da pista da mítica prova das 24 Horas Todo o Terreno.

Este ano com um percurso muito diversificado, as quase 200 viaturas participantes tiveram direito a todo o tipo de terreno, desde zonas de areia, passagens de ribeiras, lama e lindíssimas paisagens foi o que não faltou nas aproximadas 9 horas de trajecto proposto para o evento.

Este ano, foram apresentados novos desafios e numa iniciativa bem diferente, o Clube Terra a Terra levou alguns dos conceituados pilotos de Trial, entre eles Vasco Andrade e Nuno Graça a participar no evento em veículos 4×2, o que veio a resultar numa fabulosa aventura e em momentos de enorme boa disposição onde apenas Nuno Graça conseguiu levar o seu Opel Kadett atá ao acampamento.

Foi mais um grande evento organizado pelo Terra a Terra que prima pela sua criatividade e pela capacidade organizativa de uma bela equipa.

Photobucket Photobucket Photobucket 
Texto: Raul Costa
Fotografia: Raul Costa

Tópico no Fórum Portugal4x4
FOTOGRAFIAS
28.11.2011-Raul Costa

(167)

Embora antecipando a data o Clube TT de Pinhal Novo organizou mais um passeio dedicado ao “Halloween” no pano de fundo oferecido pelos trilhos do Parque Natural da Serra da Arrábida com uma componente diurna e noturna sendo esta última mais desafiante.

O outono tardio teimava em afastar a chuva e foi só na semana que antecedeu o passeio que as nuvens resolveram brindar o território continental com alguns dias de chuva, estabelecendo um nível aceitável de lama, regos e poças recheadas de água.

Após o briefing a partida foi dada junto do Castelo de Palmela, levando os participantes a apreciar a zona do Parque Natural, com uma vista magnífica sobre a cidade de Setúbal e baía do rio Sado. Por aqui foram sendo encontradas uma ou outra surpresa: cruzamento de eixos, regos de água e outros “aperitivos”; cujos participantes foram transpondo com destreza.

Com o pôr-do-sol, a caravana rumou até Vale de Barris onde foi servido o jantar aos participantes e apresentadas as principais atrações que compunham a etapa noturna.

E sim, o prometido foi servido, com alguns calafrios, sustos e gritos, não fosse este, também, o objectivo de comemorar esta noite diferente.

PhotobucketLama e água em maior abundância foram surgindo ao longo dos trilhos e, pasme-se, a organização tinha contemplado um percurso radical onde os mais afoitos puseram à prova as suas capacidades bem como a das máquinas. Mas as alternativas estavam presentes!

A travessia de uma ribeira mostrou-se algo complicada e obrigou a arregaçar calças e a colocar o pezinho dentro de água que, por sinal, estava bem fresquinha. Esta foi uma situação já prevista pela organização pois a chuva que assolou a região alterou o fundo desta linha de água tornando-o mais solto. Mas sim, esta travessia era para os mais radicais (ou não?!).

Rolando até aqui no piso de terra característico da região da Arrábida, os participantes, após esta travessia, começaram a circular em areia. E foi neste tipo de terreno que navegaram até ao final.

E que final! Após terem repetido duas vezes as duas da manhã (foi nesta noite que Portugal alterou a hora para o horário de inverno), era tempo de alimentar o espírito – perdão – o estômago. Para tal a organização preparou um caldo verde bem quentinho, chouriço e entremeada assada na brasa. E já iam as bruxas para a cama, depois de tantas diabruras e travessuras, quando foi dado por encerrado mais este passeio.

(este texto foi redigido ao abrigo do Novo Acordo Ortográfico)

Photobucket Photobucket Photobucket

Texto: CTTPN / João Miranda
Fotografia: CTTPN / Sergio Rosado
03-11-2011 – Raul Costa

(111)