Veículos todo-o-terreno abrem ferida atrás de ferida na costa alentejana

A falta de meios de vigilância permite a progressiva destruição da biodiversidade provocada por veículos todo-o-terreno nas zonas dunares e onde existem charcos temporários.

Aquele que é hoje o Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNSACV) começou por se chamar área de paisagem protegida, um título que hoje não passa de uma memória estraçalhada pelas feridas entretanto infligidas neste litoral. As dunas, uma das suas imagens de marca, são devassadas, abrindo-se no seu flanco múltiplos trilhos que as põem em risco. Como em risco estão os charcos temporários, abrigo de várias espécies ameaçadas, e que estão indefesos perante as investidas dos visistantes.

A zona dos Aivados no concelho de Odemira, em pleno PNSACV, foi o local escolhido pela organização do 12º Festival Terras sem Sombras para realizar, no início do mês, uma das suas acções de sensibilização sobre a importância da biodiversidade, focalizada na importância da preservação dos charcos temporários. José António Falcão, director do Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja (DPHADB), entidade organizadora do festival, descreveu um cenário preocupante: “Vimos quase uma dezena de trilhos lado a lado abertos por moto-quatro, motas e jipes, numa área de grande sensibilidade ambiental”.

Ao longo de percurso que realizaram, numa distância de seis quilómetros, os sinais de “vandalismo assumido” eram patentes até na destruição das placas que assinalavam os percursos permitidos. Assim como nas atitudes de turistas que circulavam em moto-quatro “em cima das dunas, numa acção muito agressiva”, descreve António Falcão. As auto-caravanas em zonas protegidas foi outras das incongruências assinaladas, a par de trilhos abertos pela força dos veículos todo-o-terreno e que em muitos pontos atravessam os valiosos charcos temporários.

Manuel João Pinto, biólogo na Faculdade de Ciências de Lisboa e que já há 25 anos que estuda a zona dos Aivados, confirmou ao PÚBLICO a devassa que ali ocorre. “Há cada vez mais trilhos em zonas protegidas”, facto que está a conduzir a um grave problema que é comum a todo o Alentejo: “A aramagem sistemática das propriedades, alegando-se razões de segurança”, diz o especialista, alertando para as consequências resultantes da vedação das propriedades, que acabam por se transformar em “impedimento à circulação da fauna terrestre”, afectando desta forma a manutenção da biodiversidade.

Referindo-se à destruição de charcos temporários, João Pinto lembra que, nos anos 90, fez um levantamento deste tipo de zonas húmidas e foram contabilizados mais de uma centena. Dezenas deles “desapareceram entretanto”, sobretudo na zona sul do parque natural onde está instalado o perímetro de rega do Mira. Na zona norte, que engloba os Aivados, “também despareceram” alguns, mas em menor escala.

A drenagem dos terrenos onde se localizam as zonas húmidas “já existia em 1958 mas não tinham as características que têm hoje”, salienta o biólogo, destacando a abertura de “valas de drenagem tão fundas quanto o possível”, que por vezes chegam até à rocha ou à camada argilosa e endurecida que fica por debaixo dos charcos temporários, para retirar a água.

O Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF) “está desprovido de meios ” técnicos e de pessoal, para fazer a vigilância de um território com 85 mil hectares de área e que abrange os concelhos de Sines, Odemira, Alzejur, Vila do Bispo e Monchique, assinala a bióloga Ana Paula Canha que juntamente com Carla Pinto Cruz elaboraram um Plano de Gestão de Charcos Temporários.

Ana Paula realça a existência de “plantas endémicas – algumas delas muito raras e que só existem na Península Ibérica – e que se encontram ao lado dos trilhos” utilizados por quem conduz as moto-quatro. “Corremos o risco de perder o resto dos charcos”, admite a bióloga que é professora na escola secundária de Odemira, frisando que estas zonas húmidas “têm espécies únicas”, tanto vegetais como animais.

Na agricultura tradicional, que foi desaparecendo do interior do parque natural, “o charco era sempre zona natural e um dos sítios mais ricos de anfíbios de Portugal e um mosaico único de biodiversidade”, que agora corre o risco de se perder, conclui a bióloga, frisando que neste momento se luta para salvaguardar “os que ainda existem”.

“O quadro descrito resulta em grande medida do significativo aumento da procura dos espaços naturais costeiros, e muito em particular das áreas do PNSACV, o que tem como resultado situações de conflito, nomeadamente por circulação e estacionamento de viaturas em áreas interditas”, reconhece, ao PÚBLICO, Valentina Calixto, directora do Departamento de Conservação da Natureza e Florestas do Algarve.

A “fragilidade dos ecossistemas dunares” é posta em causa pela circulação de viaturas todo-o-terreno já que “resulta numa destruição da vegetação e em alterações das características topomorfológicas que se mantêm visíveis ao longo do tempo, frequentemente durante anos”, confirma Valentina Calixto.

Apesar de toda a sensibilização que as várias entidades públicas com responsabilidades na gestão do parque natural têm vindo a realizar, “continua a verificar-se a ocorrência de situações irregulares, muitas das quais alvo de autos de notícia”, acentua a directora, destacando os investimentos já realizados ou em projecto no ordenamento das acessibilidades à linha de costa, nomeadamente na instalação de parques de estacionamento.

Referindo-se à escassez de meios humanos para exercer a fiscalização do território afecto ao parque natural, salienta que os serviços “têm exercido a suas competências ao longo dos anos com constrangimentos, o que tem fragilizado a obtenção dos resultados desejados”. No PNSACV encontram-se “em permanência” seis vigilantes da natureza, precisa Valentina Calixto.”

Fim de artigo do Público

Após ler-mos o artigo e quando se fala na falta de meios de vigilância, questiona-se, se são necessários meios de vigilância para aprovação de abertura de pedreiras em pleno Parque natural da Serra da Arrábia, cremos que não, mas é necessário sim estudos de impacto ambiental, levantamentos topográficos que são necessário para implantação, sendo inequívoco os limites de área protegidas ou reservas ecológicas a quando da aprovação, situação que para os praticantes de todo o terreno ou simples transeuntes não têm como saber, ainda assim a realidade é esta, duas pedreiras em pleno Parque Natural

Imagem

Imagem

Se descermos um pouco mais para a Costa Alentejana e no que refere a dunas que segundo a legislação em vigor, proíbe a circulação e alteração às condições naturais… encontramos:

A distancia à praia são de 700 metros

Imagem

A Etar está a 500m da praia!
Imagem

Agora, qual será o peso e a degradação à passagem de veículos quando se fazem construções desta natureza como as que podemos ver acima numa pesquisa que não demorou mais que 10 minutos, acreditando ainda que outros crimes contra a preservação da natureza ocorrem em solo nacional mesmo quando a legislação o proíbe!

Neste artigo os praticantes de todo o terreno são criminalizados por não saberem os limites dos parques naturais ou reservas, por falta de sinalização, no entanto a construção de uma Etar em plena duna primária, campos de golfe entre outras construções não são alvo de qualquer artigo por parte do mesmo jornal!

Autor: Raul Costa (Portugal4x4)

(2954)

Em setembro a Almont4wd volta a promover um evento um evento à altura dos fins a que se destina.

 

Segundo sabemos servirá para ajudar na investigação contra o cancro infantil… O Portugal4x4 deseja o maior sucesso do mundo para mais esta edição.

Vídeo Promocional

(24)

 photo fotochaves15.jpgA prova de Chaves foi um sucesso logo no ano de estreia, em 2015. Estavam lançados os dados para um futuro risonho da cidade transmontana no Campeonato Nacional de Trial 4×4 e asexpectativas para a prova a 5 de junho confirmam-no.

A lista de inscritos conta com mais de três dezenas de equipas, entre as quais está uma duplavinda de Espanha. Fora de pista os espanhóis também são esperados, já que “nuestros hermanos”são verdadeiros aficionados do trial 4×4. Em Chaves vão poder assistir a um verdadeiro espetáculode trial, com muitas equipas em pista, muita dureza e alguma velocidade.

 photo mapa 1280x905.jpg

Pilotos, navegadores, mecânicos, assistentes e máquinas estão prontos para ultrapassar osdesafios impostos pelo Clube Motard de Chaves. Para a etapa de 2016 o clube organizador quisfazer algumas alterações à pista (situada no Mercado Abastecedor da Região de Chaves, na aldeiade Outeiro Seco) para que a adrenalina seja ainda maior do que foi no ano passado. Por falar emdificuldades, os metereologistas apontam para uma semana de calor, em Trás-os-Montes, com astemperaturas a poder rondar os 30º, no domingo. Mais um fator decisivo e que vai obrigar a umagestão enorme por parte das equipas.

Por Chaves já está tudo pronto, só falta a chegada dos protagonistas. As verificaçõestécnicas são sábado, a partir das 16 horas, no Largo Nossa Senhora da Lapa. Domingo, no mercadoabastecedor, prepare-se para a verdadeira aventura do trial 4×4!

 



 photo Captura de ecratilde 2016-06-01 agraves 17.27.04.png
 photo Captura de ecratilde 2016-06-01 agraves 17.26.51.png

(98)

Baja de Loulé
Campeonato Nacional de Todo-o-Terreno
28 e 29 de Maio
João Dias em Loulé na liderança do CNTT

Piloto de Torres Vedras navegado por João Filipe aposta no pódio

 photo 305 - Joatildeo Dias - 004.jpgDepois de ter triunfado na prova de abertura e ter alcançado a segunda posição na prova seguinte, João Dias enfrenta, a partir de amanhã, a terceira etapa do Campeonato Nacional de Todo-o-Terreno, a Baja de Loulé. Para esta prova algarvia o piloto de Torres Vedras navegado por João Filipe e aos comandos de um Polaris RZR Turbo está apostado em lutar por um lugar no pódio.

“Estamos a ter um bom início de temporada porque temos feito sempre corridas muito inteligentes a pensar no campeonato. A disciplina está extremamente competitiva, com tantos pilotos a lutarem pela vitória, pelo que a nossa aposta começa, em primeiro lugar, por terminar cada corrida. Temos sido mais cautelosos de início para podermos atacar na segunda parte de cada prova e será o que iremos fazer também nas pistas da serra algarvia. Terminar no pódio seria excelente”, refere João Dias que, para além de liderar o campeonato, está também na frente do Troféu Polaris RZR.

A Baja de Loulé começa com um prólogo que se realize na tarde de Sábado para no dia seguinte serem disputados dois troços cronometrados, um primeiro com 119 e depois outro com 82 quilómetros.

 photo 305 - Joatildeo Dias - 008.jpg  photo 305 - Joatildeo Dias - 001.jpg

(22)